bolaEla pode ter estilos diferentes, ser confeccionada por materiais variados, ter pesos, tamanhos e medidas diversas. As únicas coisas que não mudam: o seu formato redondo e o fascínio que ela exerce em todas as pessoas que são apaixonadas por futebol e outros esportes. Está certo quem pensou que se trata de uma bola. ‘A Bola’ é também o nome da nova série de cinco episódios que o ‘Esporte Espetacular’ exibe e tem produção da ‘Pindorama Filmes’.

Em ano de Copa do Mundo, o programa vai mostrar ao público diversas modalidades esportivas que são uma variação do futebol. E apesar de pouco praticadas ou sequer conhecidas por aqui, são bastante populares em seus países. “A bola é a mais simples e perfeita das brincadeiras do homem. Se, por conta da Copa, o mundo inteiro vem jogar bola no Brasil, vamos contar como se joga bola no resto do mundo. Com uma pesquisa de mais de 20 esportes, acabamos nessa seleção de cinco jogos que fascinam pela beleza (Chinlone), pelo inusitado (Radball, jogado com bicicleta), pelo desempenho físico (Sepak Takraw), pela dessemelhança com o futebol (Futebol Gaélico) e pelo exotismo (Jikunahati)”, conta Estevão Ciavatta, autor e diretor do projeto.

Com narração de Gilberto Gil e direção de Estevão Ciavatta e Fernando Acquarone, a série passeia por diversos países do mundo, como Myanmar, no sul da Ásia, Alemanha, Brasil, Irlanda e Tailândia para celebrar a história de distintas culturas em torno de uma só paixão. O primeiro episódio fala sobre o “Chinlone”, o esporte mais popular de Myanmar, no Sul da Ásia. Com movimentos que mais parecem uma dança milenar, o esporte é praticado com uma bola feita de fibras da palmeira ratã. Não existe competição nesta modalidade esportiva. Apesar de ser necessário muito esforço para praticá-la, o objetivo é fazer bonito.

Sua origem é relacionada ao jogo chinês “cuju or tsu Chu”, reconhecido pela FIFA como a forma mais antiga de se jogar futebol. O resultado é uma coreografia, em que um time formado por seis jogadores passa a bola de um lado para o outro usando os pés, o joelho e a cabeça, ao mesmo tempo em que andam em círculos. Aos poucos, cada integrante vai para o meio da roda para fazer um solo, que resulta em uma dança criativa, de movimentos variados. Ao mesmo tempo, os jogadores o apoiam, tentando passar a bola de volta com um chute. Quando ela cai no chão, o jogo recomeça. O Chinlone tem cerca de 1.500 anos e antigamente era jogado unicamente pela realeza de Burma (antigo nome de Myanmar). Com o passar dos séculos, os jogadores desenvolveram mais de 200 maneiras de chutar a bola. Muitos desses movimentos são similares às danças do país, assim como as artes marciais. Originário de um país predominantemente budista, o Chinlone faz parte de diversos festivais que acontecem durante o ano. O maior deles, que dura um mês, tem mais de 1.000 times.

Foto: Jogadores praticando o chilone no Waso Festival
Crédito: Globo/ Divulgação

O ‘Esporte Espetacular’ vai ao ar no canal internacional da Globo domingo, 2 de fevereiro, nas Américas, Europa, África e Japão